A MORTE!!!

Uma pastoral para pastores!

Boa leitura!


A MORTE

A origem da morte. Alguns crêem que o homem foi criado mortal, que Adão teria morrido eventualmente, mesmo sem pecado. Mas a bíblia liga a morte com o pecado. Notem: Gen. 2: 16-21, Rom. 5:12, 6:23. e possível que mesmo a morte dos animais é parte do resultado da queda (Rom. 8:20-21).
Não podemos dizer com certeza que Adão era imortal antes da queda. Acho que não era; antes, a natureza humana era ainda flexível, aberta as mudanças. Poderia ficar imortal ou mortal. Realmente, é uma pergunta especulativa. A importância deste ensino é que a morte não é uma coisa natural para o homem.
Por isso, nos sentimos que a morte é estranha; reclamamos contra a morte. Sentimos que não deve ser assim. A morte é um inimigo que invadiu a boa criação de Deus (I Cor. 15:26 e Jesus em João 11:33 e 38: ele não somente chorou ao sepulcro de Lazaro; ele estava com raiva, com indignação).
A universalidade e unicidade da morte. Quero dizer que todos tem que morrer (Rom.5:12), e que pode morrer só uma vez (Heb.9:27). A primeira nos lembra que os avanços na medicina realmente não mudaram nada. Qual porcentagem do povo morre? 100%; todos. Pastores e cristãos não devem ficar envergonhados ou intimidados pelos médicos. Eles podem nos ajudar, claro; mas nossa ajuda maior e nossa esperança real esta no Senhor, que tem as chaves da morte (Apoc. 1:18).
As formas da morte. Podemos enumerar três formas, quase três estágios da morte.
A primeira e a mais importante é a morte espiritual. E primeira, porque aconteceu priemiro na historia e em cada individual. Em Gen. 2:17, Deus disse que “no dia em que dela comeres, certamente morreras.” Alguns pensam que o significado é a certeza do resultado, e não necessariamente a proximidade. Adão ficou mortal quando ele comeu, mas morreu muitos anos depois. Acho que Adão ficou mortal quando comeu, mas naquele momento. O pecado fez uma separação entre Deus e Adão, e esta separação é a essência da morte espiritual.
a segunda forma é a morte física. Como a morte espiritual é separação de Deus, a morte física é separação do corpo do espírito, ou a parte material da parte imaterial ( as vezes a alma e as vezes o espírito). A visão hebraica é que uma pessoa é a união destas duas partes. Não devem ser separadas. Mas na morte, a Bíblia diz que : “o pó volte para a terra como o era, e o espírito volte a Deus que deu” (Ecle. 12:7). A morte física é esta separação, esta dissolução das coisas que devem ficar juntos, inseparáveis, que também indica que a morte não foi a vontade original de Deus para o homem, mas o resultado do pecado.
A morte eterna, ou a segunda morte (Apoc. 2:11, 20:14), em que o estado é fixado para sempre.
Então, podemos dizer que para a morte espiritual, a cura é a salvação, para a morte física, a cura é a ressurreição do corpo; mas para a morte eterna, não há cura.

As questões Éticas sobre a Morte.

Como devemos definir a morte? Antigamente, o critério medical para a morte era o coração. Quando o coração para, cessa de bater, a pessoa é morta. Mas com a invenção das maquinas para sustentar o coração, mesmo recomeçar um coração parado, um novo critério foi necessário: o cérebro. Falamos hoje sobre a morte cerebral, quando o cérebro cessa de funcionar, não é responsivo a Deus ou as outras pessoas.
O problema é o seguinte: o que tal o caso em que o coração esta sendo sustentado pela maquina, e o cérebro fica morto? Podemos, devemos desligar a maquina?
A maioria dos crentes escrevendo sobre este assunto hoje dizem que “Sim, devemos” (Veja cap. 13 do livro de Normam F. Geisler, Ética Cristã: Alternativas e questões contemporâneas. São Paulo, Vida Nova, 1984.) O raciocínio é: esta pessoa já esta morta. Quando uma pessoa não pode responder a Deus, a outros, não pode ter comunhão com outros, não pode agir, pensar, sentir, não pode exercer a vontade, podemos concluir que a separação do corpo bateno não significa a vida. Desligar a maquina não é matar; é deixar o processo de morte terminar, chegar ao fim.
A base teológica é a distinção entre matar, que é errado, e deixar a morte acontecer, que segundo muitos, não é sempre errado. A morte não é natural, mas é inevitável. Desligar as maquinas não é matar, porque quando uma pessoa é morta no cérebro, ela é verdadeiramente, teologicamente morta. Não somos obrigados esperar e orar por um milagre; podemos, mas não é a vontade de Deus que vivemos aqui para sempre. Temos que morrer, e quando o cérebro para, podemos concluir que a morte chegou.
Mas recentemente, um segundo problema começou: a eutanásia, uma palavra que significa, literalmente, uma boa morte (eu e tanatos, em grego). Alguns pensam que no caso das pessoas com câncer terminal, ou doenças similares, devemos permitir o suicidio para evitar o sofrimento e o processo lento e duro de morrer. O que podemos dizer teologicamente?
O que é proibido pela bíblia é assassinato, e neste sentido, suicídio é uma forma de assassinato. Assassinato é uma vida, que é realmente vida (capaz de agir, pensar, comunicar, ter comunhão, não somente um coração batendo), sem razão adequada (como a necessidade de proteger outras vidas). Então, suicídio não é o pecado imperdoável, mas é um pecado, uma violação do mandamento contra o assassinato.
Para as pessoas sofrendo, podemos e devemos ajudá-las. Podemos dar remédios para aliviar a dor; podemos aconselhar que não é necessário tomar mais tratamentos que realmente não tem esperança; não tem que se submeter as cirurgias que não podem curar; podemos ama-las e ajuda-las a viver até o fim e depois deixar o processo da morte acontecer. Mas não podemos ajudar no suicídio. Acima de tudo, podemos compartilhar Jesus, o caminho para a vida eterna. Isso não é manipulação; é ajuda verdadeira, porque a única boa morte é uma morte nas mãos de Jesus.

Aplicações Praticas:

Eu quero sugerir duas aplicações importantes para os pastores e lideres cristãs.

No seu ministério com os que perderam um amado. A Bíblia diz que não devemos nos entristecer como ou outros que não tem esperança (I Tes. 4:13), mas não diz que não devemos ou não podemos nos entristecer. A diferença é que temos esperança no meio da nossa tristeza. Depois de uma morte, os amigos, as famílias precisam chorar e entristecer. Você deve ajudar neste processo; fala com gentileza sobre as suas lembranças das coisas boas na vida da morta, sobre tempos especiais. Vai causar lagrimas, mas não é ruim, não é errado. Deixe-os entristecer, mas fala também sobre nossa esperança firme e forte.
Segunda, enfrente a sua própria mortalidade. Quantos anos você gostaria de completar antes da sua morte? O que você preferiria como causa da sua morte? O que você quer realizar antes da sua morte? Você deve fazê-lo agora. Por isso, a vida aqui tem urgência e significado. Faça como sua ambição de viver na vontade de deus; de viver sempre preparado.
Um dos livros mais conhecidos na historia é A imitação de Cristo Por Tomas Kempis. Ele escreveu um capitulo sobre a meditação na hora da morte, dizendo que pensar diariamente sobre a morte e saudável espiritualmente. Ele disse:

Bem-aventurado aquele que medita sempre sobre a hora da morte e por ela se dispõe cada dia.... Pela manhã, pensa que não chegaras a noite, e a noite não te prometas o dia seguinte. Por isso, andamos sempre preparado e vive de tal modo que te não encontre a morte desprevenido.... Qual feliz e prudente é aquele que procura ser em vida como deseja que o acha a morte.

Meu desejo é viver de maneira que posso dizer em verdade as palvars de II TIM. 4: 7-8 “ Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé. Desde agora, a coroa da justiça me esta guardada, a qual o Senhor, justo juiz, me dará naquele dia, e não somente a mim, mas também a todos os que amarem a sua vinda”

2 comentários:

Tatiana MR disse...

Mto bom texto!! :o) Bjinhos!!

"...eu, João, vi a santa cidade, a nova Jerusalém... E ouvi uma grande voz do céu, que dizia: Eis aqui o tabernáculo de Deus com os homens... E Deus limpará de seus olhos toda a lágrima; e não haverá mais morte, nem pranto, nem clamor, nem dor; porque já as primeiras coisas são passadas."

A descoberta!!! disse...

valeu Mô!!!

Bjs,